Forests for the Future – From Science to the People

FORESTS FOR THE FUTURE – FROM SCIENCE TO THE PEOPLE

É com enorme satisfação que anunciamos a participação na Conferência Anual da PROSILVA, que decorre entre 11 e 14 de Setembro de 2019, em  Radlje ob Dravi, na Eslovénia.
O Projecto Pontes, com dois dos seus projectos, BOSQUES*CIDADE POMAR**, estará representado pelo director executivo Pedro Januário e pelo coordenador científico João Paulo Fidalgo Carvalho, que será também orador principal na Conferência – Thirty years of ProSilva Europe: challenges for the future – na qualidade de representante da ProSilva Portugal.

A ARTE E A CIÊNCIA PRÓXIMAS DA NATUREZA

*PROJECTO BOSQUES . Um novo horizonte para a Serra do Feital, Vilares e Broca
O Projecto Bosques pretende iniciar a criação de um espaço florestal para a promoção de aspectos relacionados com a conservação do solo e da água, a melhoria do microclima, o sequestro e armazenamento do carbono, a promoção da biodiversidade, a melhoria da paisagem, e a obtenção de diversos bens por parte do ecossistema.
O silêncio das pedras é o nosso silêncio. Necessitamos de silêncio para ver, reflectir e criar, para pensar no que fazemos e no que damos a cada um de nós e ao mundo que nos envolve.

Pode rever aqui as referências internacionais a este projecto:

– FERN – Making the EU work for People & Forest
EU FORESTS OF HOPE
Portugal – From forest to desert and back again!

– CLARA – Climate Land Ambition and Rights Alliance
From forest to desert and back again
Ecosystem restoration and economic revitalisation through a community initiative in Portugal

O Projecto Bosques é um projecto da Associação Luzlinar, no âmbito do Projecto Pontes, apoiado pela Direcção Geral das Artes / Ministério da Cultura, desenvolvido em parceria com a União de Freguesias de Vila Franca das Naves e Feital, a União de Freguesias de Vilares e Carnicães e a Associação de Desenvolvimento do Feital, em parceria com a Universidade de Trás-os-Montes, e ainda o apoio imprescindível do Agrupamento de Escolas de Trancoso, dos Bombeiros Voluntários de Vila Franca das Naves, da Associação de Produtores Florestais do Alto da Broca e da população local.


Créditos fotográficos: Associação Luzlinar.

**CIDADE POMAR
CIDADE POMAR é um projecto que visa promover nas cidades um laboratório de investigação artística e científica próximo da natureza que faça combinar Jardins/Pomares num mosaico dentro do ritmo da vida urbana.

NATUREZA ORGANIZADA / ORDEM PERMANENTE
A árvore é o elemento natural mais frequente na paisagem urbana, tendo a relação desta com a cidade uma longa tradição, podendo ser considerada a principal presença viva da natureza junto do homem.
A geometria tem determinado a “ordem permanente” da natureza na cidade – observe-se os “Pomares” desenvolvidos pelos Árabes, concretamente os laranjais, que trouxeram a laranja da China e a combinaram com a geometria Egípcia dos jardins Persas, moldando as urbes.
As árvores e os pomares das cidades surgem na poesia desde a Antiguidade, Homero, Virgílio ou Ovídio e nas diferentes mitologias são extraordinariamente relevantes, por vezes até estruturantes. Para além de serem uma presença contínua na observação da vida e acção humanas, são os próprios humanos a eternizarem-se poeticamente nas próprias árvores.

CIDADE POMAR é um projecto da COMUNA, desenvolvido pela Luzlinar e Município do Fundão, no âmbito do Projecto Pontes, apoiado pela Direcção Geral das Artes / Ministério da Cultura.


Créditos fotográficos: Ollivier Moreels e um agradecimento especial ao Currer Bell College.


Apresentação do Projecto – Cidade Pomar – dia 5 de Setembro na Appleton em Lisboa. 

..

PROJECTO PONTES | Coordenação Geral – Carlos Fernandes | Direcção Artística – João Castro Silva | Direcção Executiva – Pedro Januário | Produção Executiva – Flávio Delgado | Comunicação / Imagem – Ana Rodrigues | Coordenação Científica / Comuna – Pedro Miguel Salvado | Coordenação Científica / Campus Jardim das Pedras – João Paulo Fidalgo | Cinema Juventude – António Lopes | Coordenação de Programação do Município do Fundão – Miguel Rainha